MotorDream

Motos

Teste: Yamaha MT-09 Tracer - Trilha bem traçada

25/08/2016 09:04  - Fotos: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias
Envie por email

Teste: Yamaha MT-09 Tracer - Trilha bem traçada

Yamaha MT-09 Tracer mostra versatilidade e força para encarar rivais de marcas premium

por Eduardo Rocha
Auto Press
 
Por muito tempo, a Yamaha do Brasil se comportava de forma tímida. Parecia se contentar com seus pouco mais de 10% de participação, obtida basicamente pela atuação em segmentos de baixa e média cilindradas, e mal tirava proveito do enorme line up que dispunha no resto do mundo. Isso mudou radicalmente nos últimos anos. A marca dos diapasões ampliou sua gama de oferta e passou a brigar com mais vigor em diversos subsegmentos. Uma das novidades recentes nessa estratégia foi a chegada em outubro passado da Tracer, versão touring da naked MT-09 – ambas construídas em Manaus.
 
 
Ao contrário dos velhos tempos, a Yamaha agora esbanja autoconfiança. Tanto que direcionou seu modelo para brigar com duas motos de marcas premium: a alemã BMW F800 GS e inglesa Triumph Tiger 800. Não é uma disputa fácil. As duas estavam sozinhas e bem estabelecidas no segmento. Mas em 10 meses de mercado, a Tracer já responde por quase 20% desse nicho, que soma quase 5 mil unidades por ano. E a tendência é que a participação da marca japonesa cresça ainda mais. Tanto pela rede de distribuição, com boa capilaridade no país, como por por uma vantagem significativa em relação à potência.
 
 
A diferença é gritante. A Tracer arranca do motor tricilindríco de 846 cc nada menos que 115 cv de potência e 8,92 kgfm de torque, enquanto a F800 rende 85 cv e 8,46 kgfm e a Tiger, 95 cv e 8,06 kgfm. Isso pode compensar em parte a imagem mais glamourosa das marcas europeias, embora objetivamente o nível de acabamento da Tracer não fique nada a dever em relação às concorrentes. O nivelamento no segmento se reflete diretamente nos preços, que são bem próximos. A Tracer custa R$ 45.990. A motocicleta da BMW sai a R$ 44.400 – R$ 47.400 na versão Adventure. Já a Tiger tem nada menos que seis configurações, que começam na standard a R$ 37.999 e vão até a topo XCa a R$ 51.500.
 
 
O segmento de média-alta cilindrada é uma espécie de porta de entrada para a eletrônica embarcada entre as motocicletas. No atual estágio do segmento sport touring, são quase obrigatórios itens como controle de tração, modos de condução, tomada de 12 v, computador de bordo e ABS. A Tracer traz ainda recursos como farol em led, quadro e balança construídos em alumínio, cavalete central e suspensões amplamente reguláveis, sendo invertida na dianteira. Mas o que dá mesmo personalidade ao modelo japonês é o design, que combina robustez e esportividade, com linhas esculpidas e painéis sobrepostos. Um bom retrato do que a Yamaha pode fazer de melhor.
 
 
Impressões ao pilotar

Fino trato
 
O visual da Yamaha MT-09 Tracer faz uma combinação improvável: une elegância e robustez em altas doses. A primeira característica aparece nos materiais empregados e no desenho das peças. A segunda, no porte e no conceito estético. Na parte dinâmica, ocorre uma situação análoga. A suspensão de amplo curso e reações rápidas contrasta com a suavidade e progressividade de atuação do motor tricilíndrico crossplane. Em movimento, a Tracer é leve, equilibrada e muito, muito bem disposta. 
 
 
Outra boa qualidade é a ótima postura de pilotagem, que ocorre de forma bem natural e oferece muito conforto e um ótimo controle sobre a motocicleta. O guidão de boa altura ajuda a serpentear em meio aos carros no trânsito urbano. Mas também é possível encarar viagens longas com um nível baixo de cansaço. Isso porque o degrau entre os dois assentos funciona como apoio lombar enquanto a posição das pedaleiras alinha a coluna e induz o encaixe das pernas nas laterais do tanque. Além disso, o para-brisa de altura regulável minimiza bastante o impacto do vento em velocidades mais altas.
 
 
Ficha técnica 

Yamaha MT-09 Tracer
 
Motor: A gasolina, 846 cm³, tricilíndrico, quatro válvulas por cilindro, comando duplo no cabeçote, exaustão 3 em 1 e refrigeração líquida. Injeção eletrônica multiponto sequencial e acelerador ride-by-wire. 
 
Câmbio: Manual de seis marchas com transmissão por corrente. 
 
Potência máxima: 115 cv a 10 mil rpm. 
 
Torque máximo: 8,92 kgfm a 8.500 rpm. 
 
Diâmetro e curso: 78 mm X 59,1 mm. 
 
Taxa de compressão: 11,5:1. 
 
Suspensão: Dianteira com garfos telescópicos invertidos ajustáveis com 137 mm de curso . Traseira com monoamortecedor de 130 mm de curso, pré-carga ajustável hidraulicamente. 
 
Pneus: 120/70 R17 na frente e 180/55 R17 atrás. 
 
Freios: Disco duplo de 298 mm na frente e disco duplo de 235 mm atrás. Oferece ABS. 
 
Dimensões: 2,16 metros de comprimento, 1,35-1,38 m de altura, 0,95 m de largura, 1,44 m de distância entre-eixos e 0,84-0,86 m de altura do assento. 
 
Peso: 190 kg a seco e 210 kg em ordem de marcha. 
 
Tanque do combustível: 18 litros. 
 
Produção: Manaus, Brasil. 
 
Preço: R$ 45.990.
 
 
 

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Não há comentários para este artigo.

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas