MotorDream

Motos

Teste: Next 250 mostra o próximo passo da Dafra

06/04/2012 13:00  - Foto: Eduardo Rocha/CZN e Divulgação
Envie por email

Teste: Next 250 mostra o próximo passo da Dafra

Dafra lança a street Next 250 e quer briga com as japonesas

por Eduardo Rocha
Auto Press


Para ser grande no mercado de motocicletas, é preciso começar pelas pequenas. Foi exatamente o que a Dafra fez. Agora, com quatro anos de vida e dona do terceiro lugar no ranking de motos no Brasil, a marca decidiu que era hora de se aventurar em segmentos superiores. A investida começou com o lançamento, em fevereiro, da esportiva Roadwin 250R. A segunda “carga” virá a bordo da Next 250, uma naked produzida em parceria com a taiwanesa Sanyang Industry, SYM, a mesma que fabrica a scooter Citycom 300i. O alvo da Dafra é, assumidamente, as japonesas Honda e Yamaha, que atuam no segmento com os modelos CB 300 e Fazer YS 250. Para isso, conta com alguns argumentos bastante convincentes. Como o preço. A Next chega às 200 concessionárias da marca em meados de abril tabelada em R$ 10.190. Ou seja: R$ 1.089 mais barata que a YS 2500 e exatos R$ 1.500 a menos que a CB 300.

Outros bons argumentos surgem na parte mecânica. O modelo da Dafra traz um propulsor bem moderno. Como as rivais, ele é monocilíndrico e tem 4 válvulas, mas conta com balancins roletados, refrigeração líquida e câmbio de seis marchas – recursos ausentes nas rivais. Daí ser capaz de gerar potência de 25 cv a 7.500 rpm e torque de 2,75 kgfm a 6.500 giros. Quase o mesmo que o modelo da Honda, cujo motor é 20% maior e produz 26,5 cv e 2,81 kgfm. O da Yamaha, com o mesmo tamanho, tem 16% a menos de potência e torque – 21 cv e 2,1 kgfm. Pela presença da sexta marcha, a Dafra avalia que o consumo de combustível seja 15% menor que o das rivais.

Como o segmento de motocicletas é bastante incipiente em Taiwan – ocupa apenas 3% do mercado de duas rodas, contra 97% das scooters –, o volume destinado à montagem em Manaus será muito importante na escala da Next – que por lá se chama T2. Tanto que as opiniões da engenharia da Dafra tiveram bastante peso nas definições do projeto.

Estas intervenções aparecem na escolha de materiais de acabamento e no capricho em relação ao visual, já que o consumidor brasileiro é bem mais “romântico” em relação a seus veículos que os chineses da ilha de Formosa. O design procura destacar a esportividade do modelo – que é um pouco mais potente até que a Roadwin. Essa intenção aparece no desenho anguloso do farol, nas lanternas em led, do painel que compõe conta-giros analógico e velocímento digital, e da carenagem, que cobre inclusive a parte inferior do motor.



A única diferença entre a T2 e a Next fica restrita à ergonomia. E isso se deve tanto às diferenças no biotipo de brasileiros e taiwaneses quanto à utilização prevista em cada mercado. Como em Taiwan, os trajetos devem ser mais curtos, a posição de pilotar ficou pouco mais esportiva, em uma postura mais “forçada”. No Brasil, o uso previsto é bem mais intenso e por isso o conforto foi privilegiado, com pedaleiras mais avançada e guidão mais alto, para permitir uma postura mais ereta.

Todo este processo consumiu 18 meses de trabalho, custo que a Dafra espera ser muito bem recompensado com uma boa recepção no mercado. A marca espera que nos primeiros 12 meses sejam comercializados pelo menos 10 mil unidades da Next 250, volume que daria à Dafra entre 8 e 10% de participação no segmento. Nada mal para uma novata.



Primeiras impressões

Esportividade orientada


Penbay/Taiwan –
A Next tem as japonesas Honda CB 300 e Yamanha YS 250 na alça de mira. E numa primeira olhada, não fica nada a dever às rivais. O desenho, o porte e os materiais empregados inspiram igual confiança. Numa segunda olhada, percebe-se que vários pontos podem torná-la uma opção interessante. Como qualquer marca que procura se consolidar, a Dafra oferece mais por menos. Como o trem de força, em que o motor tem refrigeração líquida e balancins roletados e o câmbio oferece seis marchas. Na prática, a Next se mostra uma motocicleta bem disposta e com um ótimo escalonamento de marcha.

A alteração na posição de pilotar foi certamente um acerto. A altura do guidão e o bom encaixe no tanque para os joelhos impediu o cansaço. Mesmo depois de várias voltas no Circuito Internacional de Penbay, no Sul de Taiwan, algumas lançadas, outras feitas em ritmo de passeio. Ali a pequena carenagem frontal se mostrou suficiente para aliviar a maior parte do arrasto aerodinâmico sobre o piloto. O propulsor também exibiu bastante agilidade, com boas subidas de giros, capazes de atingir a faixa vermelha muito rapidamente. Nas frenagens, o disco com duplo pistão na frente mostrou-se um pouco subdimensionado para condições de pista, onde é levado ao limite a cada entrada de curva – bem diferente das exigências no trânsito.



Em condições de pista também, a suspensão pareceu um pouco macia demais. Mas essa reclamação seria bizarra se a estrada fosse como as que se encontram normalmente no Brasil – bem diferente do “tapete” de um autódromo. O banco de duas alturas bem diferenciadas encaixa bem o corpo do piloto e produz a impressão de se estar em um modelo monoposto.

A interação com a moto também é facilitada pelo bom painel de instrumentos, que tem indicação da marcha engatada, hora e odômetro parcial e na clássica configuração de superesportivas de tacômetro analógico e velocímetro digital. Em alguns pontos, a agilidade e comportamento da Next até cria uma sensação de se estar em um modelo com pegada mais esportiva. Mas com um conforto típico de motos pensadas para o uso cotidiano.



Ficha técnica

Dafra SYM Next 250

Motor: A gasolina, quatro tempos, 249 cm³, monocilíndrico, quatro válvulas por cilindro, comando simples no cabeçote, balancins roletados e refrigeração líquida. Injeção eletrônica multiponto sequencial.
Câmbio:
Manual de seis marchas à frente.
Potência máxima: 25 cv a 7.500 rpm.
Torque máximo: 2,75 kgfm a 6.500 rpm
Diâmetro e curso: 71 mm X 63 mm.
Taxa de compressão: 10.5:1
Suspensão:
Dianteira com garfo telescópico com curso de 110 mm. Traseira do tipo monoshock com curso de 129 mm.
Pneus:
110/70 R17 na frente e 130/70 R17 atrás.
Freios: Disco com pistão duplo na dianteira e simples na traseira.
Dimensões: 2,00 metros de comprimento total, 0,79 m de largura, 1,05 m de altura, 1,32 m de distância entre-eixos e 0,79 m de altura do assento.
Peso: 155 kg.
Tanque do combustível:
14 litros.
Produção: Hsin Chu, Taiwan.
Montagem:
Manaus, Amazonas.
Preço: R$ 10.190.

Veja mais:
Teste: Dafra Roadwin 250R segue a estética da dinâmica
Veja também: Dafra Next 250 chega em abril por R$ 10.190



 

 

 

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Existem 3 comentários
#1 - jeffton nunes santana
07/04/2012 - 17:37

fico feliz em saber q a dafra esta sempre renovando sua frota,mas fico triste em saber que comprei uma dafra e nao tive nenhuma assitencia ou até mesmo contato... Infelizmente terei q entrar na justiça para ter os meus direitos respeitados como consumidor, estou muito chateado com a dafra e até hoje ninguem da dafra mim consultou sobre o que aconteceu estive varias vezes na loja aonde comprei e els viraram as costas para mim como consumidor... Aconselho a quem for comprar pensar antes por que depois já era, é muita dor de cabeça.. Principalmente na Dafra aqui de Itabuna/BA

#2 - luiz sergio de oliveira
14/06/2012 - 20:22

...gostei muito dos modelos da Dafra, Apache e Next 250. A Next me encantou, porém o medo de comprar um modelo é grande devido à péssima impressão que os primeiros modelos da Dafra deixaram com questão a qualidade e também a devalorização dos modelos junto às proprias concessionarias e outras. E mais a ridícula falta das peças de reposição, acompanhada da falta de zelo com os consumidores do produto. Creio que tudo colaborou no fracasso de vendas das motos. Está na hora da Dafra correr atrás do prejuízo para desfazer a má imagem deixada de cara, que por padrão é a que fica...!!!!!!

#3 - SILVIO BATISTA GERMANO
05/09/2012 - 11:34

INFELIZMENTE A DAFRA TEM ME DECEPCIONADO EM RELAÇÃO À REPOSIÇÃO DE PEÇAS. ESTOU TENTANDO COMPRAR UMA SIMPLES LENTE DE LANTERNA E NÃO CONSIGO. IMPRESSIONANTE, EU MORANDO EM SÃO PAULO (CAPITAL) E NÃO CONSIGO, SÓ IMAGINO QUEM MORA MAIS AFASTADO. OLHA ESTOU TOTALMENTE INSASTIFEITO COM A DAFRA. JA COLOQUEI UMA RECLAMAÇAO NO RECLAME AQUI O PESSOAL DA DAFRA ME LIGARÃO MAS NÃO RESOLVERÃO O MEU PROBLEMA. LIGUEI HJ NA CONCESSIONARIO DIA 05/09/12 E ME INFORMARAM QUE NÃO TINHA CHEGADO A PEÇA E Q NÃO TINHAM COMO ME DAR PREVISÃO DE CHEGADA. O PIOR DE TUDO Q O VALOR DAS PÇS É UM ABSURDO DE CARO E ELES PENSAM Q AGENTE TA PEDINDO DE GRAÇA. VIU PESSOAL DA DAFRA, NÃO QUERO A PEÇA DE GRAÇA NÃO, QUERO COMPRAR! COMPRAR! COMPRAR, SÓ ISSO QUE QUERO POR FAVOR COLOQUE PEÇAS DE REPOSIÇÃO SE VCS QUEREM REALMENTE COMPETIR COM A HONDA E YAMAHA GARANTO QUE DAQUI 10 DIAS ESTAREI RECLAMANDO DE NOVO POR NÃO TER CONSEGUIDO COMPRAR UM ABRAÇO BEM DESILUDIDO

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas