MotorDream

Indústria

Abeiva critica alto faturamento das fabricantes instaladas no Brasil

27/01/2012 18:00  - Foto: Divulgação
Envie por email

Abeiva critica alto faturamento das fabricantes instaladas no Brasil

Alto repasse de capital para as matrizes estrangeiras revela que a concorrência com os importados não afeta tanto as “nacionais”

por Alyne Bittencourt
MotorDream


José Luiz Gandini, presidente da Abeiva – Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores –, disse, em nota à imprensa, que o lucro que as fabricantes multinacionais instaladas no Brasil repassam às matrizes internacionais vai contra o argumento do governo para o aumento do IPI para carros importados.

Dados divulgados pelo Banco Central, em 2011, revelaram que a indústria automotiva brasileira remeteu US$ 5,58 bilhões – cerca de R$ 9,7 bilhões – para suas matrizes, sendo o setor da economia que mais enviou dinheiro ao exterior no ano passado, deixando para trás os bancos, que ficaram com o segundo lugar. Com os bons índices registrados pelos carros fabricados no Brasil, não haveria, para Grandini, razão para cobrar tarifas maiores dos veículos importados.

Segundo o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, a medida serve para proteger os fabricantes nacionais diante do crescimento da concorrência com os importados. Contudo, a parcela de veículos vindos de fora do país é relativamente pequena. Em relação ao volume total de veículos vendidos no Brasil no ano passado – 3,63 milhões de unidades – os emplacamentos de marcas filiadas à Abeiva representaram apenas 5,8% do mercado nacional.

De posse desses dados, o presidente da Abeiva informou que irá reiterar o pedido, já formalizado aos Ministérios da Fazenda; Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; e Ciência e Tecnologia, para revisão do aumento de 30% no IPI para carros importados. Giandini disse que a Associação protocolou uma carta propondo aos três Ministérios que houvesse um limite de 200 mil unidades anuais que seriam importadas com o mesmo IPI cobrado dos carros produzidos no país. Essas unidades representariam apenas 5,6% do mercado nacional (considerando a projeção de venda de 3,52 milhões de veículos em 2012), avaliou Gandini. Vale lembrar que as importadoras ajudam a regular o preço no mercado brasileiro, já que aumentam a concorrência.

Veja mais: Abeiva projeta queda de 20% na venda de importados para este ano
Veja também: Automóveis: Depois da alta do IPI, 2012 será bom para fabricantes nacionais

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Existem 1 comentários
#1 - marcelo patroni
19/02/2012 - 18:28

Pura balela essa história de cota para carros importados fora do eixo Mercosul-México. Tantos os importadores como as multinacionais instaladas aqui querem lucrar alto. Não vai ser esta medida que irá regular o mercado, quando o assunto é preço. Sou a favor das regras voltarem como estava antes do aumento do IPI. O governo deste país precisa pensar e agir de forma moderna e não como uma republiqueta de bananas, onde o único que se dá mal é o cidadão. Além de toda a corrupção temos políticos míopes que só criam leis que fazem o Brasil andar pra trás.

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2017 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas