MotorDream

Testes

Teste: A1 é a fronteira inicial para novos consumidores

13/05/2011 15:17  - Fotos: Luiz Humberto Monteiro Pereira/ Carta Z Notícias e André Larangeira
Envie por email

Teste: A1 é a fronteira inicial para novos consumidores

Com o lançamento do A1 no Brasil, a Audi quer criar novos consumidores de automóveis de luxo

por Luiz Humberto Monteiro Pereira
Auto Press


    Atrair o público jovem é uma questão estratégica para os fabricantes de automóveis de luxo. Modelos de marcas como Mercedes-Benz, BMW e Audi normalmente são associados a uma faixa etária mais elevada. Gente já bem estabelecida na vida, que pode pagar um preço além do convencional por veículos que superem os padrões normais de luxo, conforto, tecnologia e esportividade. Mas seduzir e fidelizar as novas gerações dessas famílias abastadas é fundamental para garantir bons negócios no futuro. Essa é a missão do A1, apresentado no ano passado com grande sucesso na Europa – onde há filas de espera para o modelo – e que agora chega ao Brasil.

    O preço do A1 – a partir de R$ 89.900 – fica exatos R$ 20.100 aquém do A3 2.0 TFSI S-Tronic, de R$ 110 mil, que até então era o Audi de preço mais baixo no país. É o modelo mais acessível que a marca tem por aqui desde 2006, quando a antiga geração do A3 deixou de ser produzida em São José dos Pinhais, no Paraná. Não é um carro barato – e nem era essa a proposta. Sua meta é apresentar os padrões construtivos, estilísticos, tecnológicos, dinâmicos e de acabamento da marca das quatro argolas para um público jovem que, apesar de bem-sucedido, não está disposto a pagar mais de R$ 100 mil por um automóvel. E nem se sente atraído pelo estilo “patriarcal” dos sedãs e utilitários esportivos ou “matriarcal” das peruas e monovolumes.

    O novo hatch de duas portas é compacto – são 3,95 metros de comprimento, 1,74 m de largura e 1,42 m de altura. Ou seja, é 6 cm mais comprido, 9 cm mais largo e 4 cm mais baixo que um Volkswagen Gol. O entre-eixos mede 2,47 m – apenas um centímetro maior que o do Gol  Na frente, a ampla grade trapezoidal – parte da atual identidade visual da Audi – ostenta as inexoráveis quatro argolas e é ladeada por faróis de xênon com luzes diurnas de leds, retos em cima e sinuosos na parte inferior. Os leds ajudam a dar aos faróis a aparência de um par de olhos meio franzidos, o que reforça o aspecto “invocado” do carrinho. De perfil, destaca-se a linha do teto em arco, onde a descida abrupta na traseira, em conjunto com o elegante aerofólio sobre o vidro traseiro, ressalta o aspecto esportivo. Na traseira, as lanternas com leds são em forma de asas e integradas à tampa do porta-malas, cuja parte superior é levemente proeminente em relação à parte de baixo, onde fica a placa. Os leds não se restringem aos faróis e lanternas. Eles se tornaram quase uma obsessão da Audi e surgem na iluminação das portas e do teto, nas luzes de leituras, nas luzes para os pés e até nas luzes dos espelhos de cortesia.

    Por dentro, o estilo é moderno e “clean”, com volante forrado em couro e bancos em tecido. Uma tela de 6,5 polegadas se destaca no alto do painel. A configuração é de um “2+2” – ou seja, os dois lugares traseiros não são recomendáveis para pessoas altas em viagens longas. Bem de acordo com a moda da customização, quem comprar o A1 poderá escolher se quer o arco do teto em cor contrastante e as cores das saídas de ar internas. Há interface Bluetooth e opções de conexão com celulares e iPods. Como opcionais, são oferecidos sistema de navegação GPS, teto solar panorâmico elétrico, sistema de partida automática sem a chave – com acionamento através de um botão no painel –, sensor de estacionamento traseiro, piloto automático e áudio Bose de 465 watts, com 14 alto-falantes.

    Mas nem só de aparência se faz um sedutor – desempenho convincente é fundamental. Isso fica a cargo do motor 1.4 TFSI de quatro cilindros em linha com 122 cv de potência e 20,4 kgfm de torque máximo – disponível entre 1.500 e 4 mil giros – , com sistema de injeção direta de combustível e turbocharger com intercooler. A transmissão automática de sete velocidades S-Tronic tem sistema de dupla embreagem – as marchas ficam pré-engatadas para a troca. Há a possibilidade de utilizar o modo automático na posição S, para trocas em giro mais elevado e desempenho mais esportivo. A troca das marchas ainda pode ser feita manualmente, na alavanca ou através das “borboletas” atrás do volante. Segundo a Audi, o zero a 100 km/h pode ser cumprido em 8,9 segundos e a velocidade máxima é de 203 km/h.

    Para reforçar o indefectível marketing “verde” inerente a um modelo tão “antenado” como o A1, o compacto ainda vem com os sistemas Start-stop, que desliga o motor quando o carro está parado para economizar combustível, e Kers, que aproveita a energia das frenagens para reforçar o desempenho do motor. Segundo a Audi do Brasil, já foram comercializadas mais de 600 unidades do A1 no país, mas as entregas começaram esse mês. Estima-se que a fila de espera para comprar o compacto por aqui já ultrapasse os dois meses.



Instantâneas


# O coeficiente de arrasto aerodinâmico do A1 é 0,32 cx.
# O A1 traz de série airbags frontais, laterais e de cortina.
# Em 2010, a Audi vendeu aproximadamente 1.092.400 veículos em todo o mundo.
# A sede da Audi fica na cidade alemã de Ingolstadt.
# Desde a década de 60, a Audi é controlada pela alemã Volkswagen AG.
# Em 2002, a Audi assumiu o controle da marca espanhola Seat.
# A plataforma do Audi A1 é partilhada com o Volkswagen Polo de nova geração, vendido na Europa.
# O A1 foi originado do conceito Metroproject Quattro, exibido em 2007 no Salão de Tóquio.


Ficha técnica

Audi A1 1.4 TFSI

Motor: Gasolina, dianteiro, transversal, 1.390 cm³, quatro cilindros em linha e quatro válvulas por cilindro. Injeção direta de combustível e turbocharger com intercooler.

Transmissão: Câmbio automático com sete velocidades à frente e uma a ré com modo manual sequencial na alavanca ou através de paddleshifts no volante. Dupla embreagem. Tração dianteira.

Potência máxima: 122 cv a 5 mil giros rpm.

Torque máximo: 20,4 kgfm entre 1.500 e 4 mil rpm.

Diâmetro e curso: 76,5 mm X 75,6 mm. Taxa de compressão: 10:1.

Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com braços triangulares transversais, amortecedores hidráulicos, molas helicoidais e barra estabilizadora. Traseira com eixo de torção.

Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. ABS, ESP e assistência de partida em aclives.

Carroceria:
Hatch em monobloco com duas portas e quatro lugares. Com 3,95 metros de comprimento, 1,74 metro de largura, 1,41 metro de altura e 2,47 metros de distância entre-eixos. Oferece airbags duplos frontais, laterais dianteiros e do tipo cortina de série.

Peso:
1.200 kg em ordem de marcha.

Capacidade do porta-malas:
270 litros.

Tanque de combustível: 45 litros.

Lançamento mundial:
2010.

Lançamento no Brasil:
2011.


Ponto a ponto

Desempenho
– O fato do torque máximo de 20,4 kgfm estar disponível desde os 1.500 giros até os 4 mil giros se traduz de forma simples – pisou, o A1 acelera. E, vencida uma brevíssima inércia inicial, acelera forte. Quando é possível pisar fundo, o A1 avança com decisão e vigor. Conforme as marchas se sucedem – de forma quase imperceptível, graças à dupla embreagem –, o carro se mostra bom de estrada e sempre pronto para ultrapassagens rápidas. A possibilidade de acionamento manual das marchas através dos paddleshifts amplia ainda mais as possibilidades dinâmicas do compacto da Audi. Nota 9.

Estabilidade
– No kartódromo de Aldeia da Serra, na cidade paulista de Jandira, foi possível acelerar o A1 em curvas de formas que não seriam nada recomendáveis em lugares que não dispusessem de boas áreas de escape. E na sinuosa estrada que liga o kartódromo à bucólica cidadezinha de Pirapora do Bom Jesus, foi possível avaliar o carro em circunstâncias normais, expostas ao trânsito convencional. Nos dois ambientes, o A1 surpreendeu positivamente. É um compacto muito equilibrado em retas e em curvas. Quando foi necessário frear de forma mais vigorosa, o carro se manteve sob controle. Nota 9.

Interatividade
– Os comandos são bem posicionados e estão ao alcance do motorista. A posição de dirigir é boa e os bancos dianteiros, apesar de não teram regulagens elétricas, acomodam bem os passageiros da frente. O painel de instrumentos é eficiente e de fácil visualização. O volante tem botões que acionam o rádio e permitem acesso aos dados do computador de bordo. Os paddleshifts no volante para acionamento das marchas são funcionais e permitem maior interatividade com o propulsor. Nota 8.

Consumo
– A Audi fala em consumo combinado cidade/estrada de espetaculares 18,8 km/l. Mas o modelo testado em circuito rodoviário de aproximadamente 70 km entre Jandira e Bom Jesus do Pirapora aparentemente não foi avisado das propostas da marca. Seu computador de bordo indicava, ao término de um teste predominantemente rodoviário, uma média bem “mediana” de 10,5 km/h. Nota 7.

Tecnologia
– Trata-se de um compacto bastante moderno e incorpora várias tecnologias apresentadas nos modelos maiores da Audi. De série, o A1 traz ar condicionado, faróis bi-xênonio com ajuste automático de altura e luzes diurnas em leds, faróis de neblina, volante multifuncional com “borboletas” de acionamento do câmbio, CD player com Bluetooth e conectável com celulares e iPads, tela de configurações de  6,5 polegadas, airbags frontal, lateral e de cabeça, assistente de partida em aclives, ESP/ABS, computador de bordo e rodas aro 16 com pneus 215/45 R 16. O GPS, que é opcional, num veículo dessa faixa de preços bem que poderia ser de série, assim como o sensor de obstáculos traseiro. Nota 8.
Conforto – O espaço interno é bem correto para dois adultos. Viajar no banco traseiro, onde só há dois lugares, não é confortável para quem tem acima de 1,75 m. O teto baixo e uma protuberância acolchoada que fica junto à parte interna da coluna traseira reduzem o espaço disponível para a cabeça de quem senta ali. O isolamento acústico é de boa qualidade e a suspensão absorve bem os buracos e solavancos. Nota 8.

Habitabilidade – O acesso é um pouco dificultado pela baixa estatura do carro. As portas têm bom vão de abertura e chegar aos bancos da frente não é difícil, mas aos bancos de trás é bem complicado e requer um certo “jogo de cintura”. O porta-malas de 270 litros tem piso baixo e bom acesso. Na frente, os porta-objetos são abundantes e funcionais. Nota 7.

Acabamento
– Os materiais usados nos revestimentos são superiores ao da maioria dos automóveis na faixa dos R$ 90 mil. O couro do volante esportivo é macio e todo o painel tem acabamento acolchoado. Os bancos, revestidos em tecido, também são de bom nível. Tudo a bordo aparenta qualidade e os encaixes e costuras não deixam nada a desejar em relação ao padrão da Audi. Nota 9.

Design – Embora suas dimensões sejam bem próximas às de um Gol, não há risco de ninguém achar que o A1 é um carro “comum”, fora da categoria de veículos de luxo. Os designers da Audi foram bastante felizes na concepção do compacto da marca. Por dentro, o estilo é elegante e transmite a sensação de requinte que se espera de um Audi. Nota 8.

Custo/benefício – Um hatch compacto com preço inicial de R$ 89.900 está longe de ser barato. Nessa faixa de preços há ótimas opções de vários tipos de automóvel confortáveis e bem maiores – para quem não faz questão de ter um carro de luxo. Mas essas pessoas não são o foco do A1. Dentro do segmento de luxo e com todo o requinte, exclusivismo e tecnologia que oferece, o pequeno hatch da Audi é um automóvel competitivo. No Brasil, seu principal concorrente é o Mini Cooper, que em versão 1.6 automática com a mesma potência de 122 cv sai por R$ 96.950 Nota 7.

Total – O Audi A1 1.4 TFSI somou 80 pontos em 100 possíveis.

 

Primeiras impressões

Pequeno grande carro

por Luiz Humberto Monteiro Pereira
Auto Press


Aldeia da Serra/SP - Ao primeiro olhar, antes mesmo de entrar, já fica claro. Apesar de pequeno, o A1 pertence à categoria do que as pessoas na rua costuma chamar de “carrões” e os profissionais de marketing preferem denominar pomposamente de “premium”. Por dentro, o acabamento é coerente com o que se espera de um Audi, com “sinais exteriores de qualidade” por todo o lado. Mas, além da concepção estética, para que o A1 pudesse cumprir sua proposta mercadológica era fundamental que o desempenho dinâmico também fosse bem diferente dos compactos convencionais. E isso o A1 consegue.

    De cara, logo ao sair da inércia, já impressiona a boa disposição do modelo, que acelera de forma determinada. Nas primeiras curvas, a surpresa aumenta. O A1 exibe um equilíbrio dinâmico singular para um modelo de seu porte. Mesmo nas curva feitas em alta velocidade, o carro aderna pouco e não transmite ao motorista qualquer sensação de instabilidade. O que causa o “efeito colateral” de estimular a ousadia do piloto. Mas, felizmente, o A1 testado não vacilou em momento algum.

    Nas retas, os 122 cv de potência e os 22,4 kgfm de torque se mostram mais que suficientes para conferir aparente leveza e elegância dinâmica aos 1.200 quilos do A1. O carro acelera de forma resoluta e permite ultrapassagens de forma harmônica, com reduzido nível de estresse para o motorista. As frenagens também são executadas de forma precisa e absolutamente controlada, sem sustos.

    No conjunto, trata-se de um compacto com um nível de “qualidade de vida” a bordo realmente incomum. Ótimo para duas pessoas, mas nem tão bom para os eventuais passageiros dos banco de trás, principalmente os de altura acima de 1,75 m. O teto baixo na traseira pode ocasionar algumas “turras” quando ocorrem irregularidades na pista. Mas a proposta dos dois lugares traseiros certamente não combina com adultos e longas viagens. Para trechos curtos e para crianças, funciona bem, embora o acesso aos bancos de trás seja um tanto difícil. De qualquer forma, o A1 mostra que é possível incorporar aos segmento de compactos boa parte da tecnologia automotiva disponível para os “carrões”.

 

 

 

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Não há comentários para este artigo.

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2014 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas